Página 1 de 1

FAB: Estação remota AFIS Fernando de Noronha

MensagemEnviado: Ter Jan 10, 2017 20:12
por AeroEntusiasta
Serviço inédito na América do Sul, o R-AFIS Noronha entra em operação no CINDACTA III

Imagem

Em decorrência da demanda provocada pelo fluxo de turistas em Fernando de Noronha somado às necessidades da população local, recentemente foram colocados à disposição dos usuários mais voos extras aos finais de semana para a Ilha, aumentando o movimento de voos regulares de quatro para seis. Hoje, a média já ultrapassou os 280 movimentos mensais, incluindo as aeronaves da aviação geral.

A Aeronáutica, em Noronha, é representada pelo Destacamento de Controle do Espaço Aéreo de Fernando de Noronha (DTCEA-FN), que tem como missão básica a operação do espaço aéreo naquela localidade. Os militares daquele destacamento prestam o Serviço de Informação de Voo de Aeródromo, o Serviço de Alerta e a manutenção dos auxílios à navegação e dos sistemas de telecomunicações.

A implantação da operação remota do AFIS-RN (R-AFIS FN) foi idealizada no Terceiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA III) após diversos estudos. Dentro do cenário observado, a estruturação e a implantação do R-AFIS FN servem de gênese para outros projetos similares de interesse do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), com possibilidades de adoção em âmbito nacional, com o consequente ganho de conhecimentos técnico e operacional.

Diante do contexto em que o Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAB) cumpre sua missão no arquipélago de Noronha, por meio do DTCEA-FN, uma análise histórica recente revelou que o encargo de apoio logístico e administrativo do CINDACTA III ao Destacamento é considerável. Assim, foram procuradas alternativas mais eficientes de alocação de recursos.

Solução

A busca por essas soluções inovadoras convergiu com a existência prévia de estudos e projetos, tanto no DECEA quanto em órgãos externos, como a Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República (SAC-PR). Uma delas foi a prestação de Serviços de Tráfego Aéreo (ATS) remoto. Assim, surgiu o desafio e a oportunidade de adaptar a estrutura existente no CINDACTA III para a operação remota do AFIS. Dessa forma, tanto seria atendida uma demanda do CINDACTA III por otimização dos recursos empregados, quanto haveria a possibilidade de se validar um conceito operacional de grande potencial estratégico.

Com base nos estudos anteriores, envolvendo o R-AFIS, buscou-se um aproveitamento dos recursos existentes no DTCEA-FN e na sede do CINDACTA III. Houve uma simplificação dos requisitos levantados para a operação remota, já que não se trata da prestação do serviço a partir de um aeródromo desprovidos de qualquer infraestrutura.

Cabe frisar que não estão incluídas no escopo inicial deste projeto quaisquer alterações nos serviços de Meteorologia e de Informações Aeronáuticas prestados atualmente pelo DTCEA-FN, embora o alcance das metas propostas possa ensejar eventuais desdobramentos e expansões no escopo inicial.

O cenário atual da operação do AFIS-FN, a partir das instalações do CINDACTA III, tem condições de segurança operacional igual ou melhores das que são atualmente praticadas no DTCEA-FN, ou seja, tem a mesma qualidade da atividade presencial, sem necessidade de alteração na estrutura do espaço aéreo.

No aspecto operacional, a prestação do serviço AFIS está sendo realizada no mesmo salão operacional do Centro de Controle de Área Recife, o ACC-RE – resultando num incremento no nível de coordenação e segurança. Outros benefícios indiretos incluem a presença da equipe de supervisão do Centro de Operações Integradas (COI-3) e a possibilidade de intercâmbio, assim como a absorção de boas práticas de gerenciamento de tráfego aéreo .

Serviço inédito na América do Sul

O Japão tem experiência em operação remota do AFIS há mais de 20 anos e, um pouco mais recente, foi constatada em outros países, como EUA, Canadá e Suécia. Em todos os casos podem-se observar benefícios tais como a redução significativa do custo operacional sem perda da qualidade e da segurança nas operações.

Após as fases de testes e, agora, com a operação plena a partir do CINDACTA III, vislumbra-se um marco na prestação do AFIS em nosso País, premiando o talento e o abnegado comprometimento dos profissionais que integram o controle do espaço aéreo brasileiro, de forma direta e ou indiretamente, os quais desenvolveram e adequaram um projeto com a finalidade precípua de perpetuar a excelência do serviço prestado.

>>> Assista, a seguir, um vídeo que complementa essa reportagem: https://youtu.be/Bi_HLLu4cq8

Fotos: Fábio Maciel

Imagens e Edição: Marcelo Alves